Hematoma extradural

Quando sofremos um traumatismo craniano o cérebro “chacoalha” dentro do crânio, podendo-se chocar contra o osso. Esse movimento anormal e a ocorrência de fraturas cranianas podem causar vários tipos de hemorragia. Hoje discutiremos uma hemorragia chamada epidural ou extradural.
A hemorragia extradural recebe o nome por se localizar exatamente neste espaço, o extraduralespaço epidural, que se localiza entre a dura-máter (tipo de “revestimento” que envolve o cérebro) e o osso. Ela não compromete diretamente o cérebro, mas sim indiretamente, pois comprime o cérebro adjacente ao hematoma. Tradicionalmente são causados por ruptura de artérias.
O paciente com hematoma extradural pode apresentar perda de consciência com recuperação após alguns minutos ou horas. Porém, posteriormente, o paciente sofre deterioração mental e coma. Esse quadro clínico clássico é chamado “intervalo lúcido”. Às vezes os sintomas são de início imediato, geralmente em forma de dor de cabeça intensa, vômitos, convulsão, confusão mental, sonolência e progressão para o coma profundo. Se não tratado, pode causar danos neurológicos irreversíveis, aumento da pressão sanguínea, problemas respiratórios e morte.
O hematoma epidural é diagnosticado através da tomografia computadorizada do crânio. Por se originarem geralmente de sangramento arterial, podem aumentar de volume rapidamente, de modo que a indicação cirúrgica deve ser agressiva. Por esse motivo todo traumatismo craniano moderado ou grave deve obrigatoriamente ser avaliado por um neurocirurgião.

Deixe uma resposta